Mestrados e Doutorados na Argentina
Cídio Lopes de Almeida
em 15 de Junho de 2018

É interessantes verificar que no Brasil se a pessoa disser: "Faço ou fiz um Doutorado na Argentina", enfim, aquele filósofo da padaria, logo torce o nariz. Se você disser no Paraguai, aí todos darão uma boa risada, pois para os Brasileiros Paraguai é sinônimo de coisa falsa.

Porém, se você disser fiz doutorado nos "Estadusunidos" logo arranca: pô, o cara é bão. Se disser que fez na Europa todos também vão dizer o mesmo; Há, se disser que em portugal, vão logo dar risadas como no caso do Paraguay, é que para esses Portugal é um lugar no norte da África e todos são burros.

É interessante como esses "sábios da padoca" aferem os privilégios escamoteados de direito e mérito em solo brasileiro.

Não conseguem por exemplo distinguir a qualidade Educacional da Argentina frente ao Brasil. Não conseguem distinguir que nos "istadusunidos" tem coisa para todos os tipos e gosto. E não conseguem desvendar o jogo de privilégios das Universidade dita boas por aqui.

No Brasil, como nos USA donde tudo se copia, houve uma escolarização da pós-graduação. A desculpa é que os alunos ficaram mais burros e precisam de mais aulas. Enfim, não seria o caso de acabar com as aulas? (Façamos a leitura de Ivan Ilich e seu discípulo que escreveu: A escola está morta); A questão que não se inova na pós, mas se trabalha para alguém.

Tudo bem que um professor deve desenvolver seu trabalho e que isso leva 30 a 40 anos. Nada contra isso, porém, quando se condiciona a pesquisa nas pós-graduações aos projetos de trabalhos dos professores a coisa caduca.


Se estivermos no caminho da verdade, então teremos 500 anos de desenvolvimento; Caso contrário, jamais vamos conseguir sair do buraco.

Essas questões jogam o sábio da padaria na confusão e ele fica para trás. É aí que esconde o jogo aristocrático da universidade boas do Brasil.

Enfim, é quase genético a trasmissão do saber nas universidades. Elas não conseguem inovar por fazer uma fusão entre o que o pesquisador trabalho e o que qualquer trabalho que ele oriente tenha de ser a partir do seu.

Veja bem, é licito um docente se dedicar a vida toda a uma questão. A questão é quando se funde esse tópico aos novos trabalhos de pesquisa.

Para o ingresso nos mestrados e doutorados, faz prova; penso que deve ter até dever de casa ou "para casa". Penso que essa dúvida entre "de" e "para" pode ser um projeto par os Kantianos.


Não se tem duvida da qualidade dos trabalhos que são feitos no âmbito das melhores pós-graduação. A questão é que a verba pública se torna uma tenta para poucos. Que em geral após mamarem, cortam o bico.

Nesse sentido as seleções para projetos de mestrado e doutorado no Brasil constituem um exercício sínico de legitimação do privilégio, pois quando há mais de um inscrito, torna-se legal dizer que foi fulano quem passou e beltrano reprovado. Pronto, simples assim.

Penso que a pesquisa no brasil virou dever de casa. Não temos pesquisa, há uma comentide, a melhor não tenhamos dúvidas.

Como se faz a qualidade da educação no Brasil. Pela quantidade de exclusão. Uma faculdade é boa quando há milhares de inscritos, que as notas para entrar no vestibular sejam altas, enfim: pela exclusão. A qualidade sempre foi medida desse modo no Brasil. Nesse sentido até fundiram escola "cara" com "escola boa". Ou seja, a questão da exclusão.

Mas a história da educação no Brasil tem uma "mega exclusão" como grande projeto de Educação. Lembra de Pompal, o marquês? Pois é, ele mandou os jesuítas embora.....


Talvez é isso que precisamo olhar melhor para o Uruguay, Argentina e Chile(onde os estudantes não aceitaram uma versão do Prouni-  a qual ficamos feliz em ter e estudar na Uniban). Claro, o Paraguay também precisa ser olhado, pois lá há muita semelhança com o Brasil. Lá também educação é um jogo de privilégios.


Enfim, começo de prosa.
Mestre em Filosofia

São Paulo / SP

2 avaliações
Graduação: Teologia (Faculdade Vicentina )
Mestre em Filosofia, com destacada carreira na área educacional, atuando como Professor das áreas de Filosofia e Ensino Religioso para a Educação Básica e Ensino Superior. Na Educação Básica, desenvolve aulas expositivas, utilizando recursos visuais que facilitem a assimilação do conteúdo, como: desenhos, esquemas, características, arquitetura e cores que remetem ao momento histórico estudado, traçando linhas cronológicas a fim de auxiliar a organização das ideias explanadas. Estimula a parti ...
Filosofia - Filosofia Ensino Superior, Cultura Religiosa (Judaico-Cristã), Teologia Católica, Catecismo
Oferece aulas online (sala profes)
R$ 75 / aula
Conversar
1ª aula gratuita
Cadastre-se ou faça o login para comentar nessa publicação.

Listas de exercícios, Documentos, Revisões de textos, Trabalhos?

Se seu problema for dificuldade em uma lista de exercícios, revisão de teses e dissertações, correção de textos ou outros trabalhos, peça uma ajuda pelo Tarefas Profes.

Enviar Tarefa

Confira artigos similares

Confira mais artigos sobre educação

Ver todos os artigos

Encontre um professor particular

Busque, encontre e converse gratuitamente com professores particulares de todo o Brasil