O Surgimento da Agricultura no Egito Antigo

Um Grande Marco na História Humana.

História História Geral Arqueologia
O Surgimento da Agricultura no Egito Antigo
Márcio L.
em 17 de Setembro de 2021

O Surgimento da Agricultura no Egito Antigo.

Um Grande Marco na História Humana.

O período mais conhecido e divulgado da história do Egito é o que os historiadores denominam de período dinástico compreendido entre os anos de 3200 a.C. a 1085 a.C., dividido entre antigo, médio e novo império que compõem as dinastias dos grandes faraós egípcios. O fato que geralmente é ignorado é que o período imediatamente anterior ao período dinástico foi fundamental para a unificação e possibilitou a história posterior do Egito Antigo, ou seja, sem o surgimento e desenvolvimento da agricultura no período pré-dinástico seria muito difícil o surgimento de uma grande civilização, pois não haveria em tal região os meios necessários à subsistência e assentamento de grandes grupos humanos.

A falta de popularidade do período pré-dinástico é devida ao fato de que os achados arqueológicos deste período são ofuscados pela grandeza das construções monumentais do período dinástico e também pela complexidade cultural da civilização egípcia que despertou grande interesse popular.

Por outro lado, existe então no período pré-dinástico o surgimento e desenvolvimento da agricultura que não deixou documentos escritos mas apenas o que os arqueólogos denominam de cultura material, ou seja, os artefatos produzidos e utilizados pelos grupos humanos para caçar, pescar, cultivar alimentos e outros ligados aos cultos religiosos e para os mais diversos fins.

No intuito de contribuir para a divulgação deste período de transição entre a pré-história e a história antiga realizamos um pequeno estudo descrevendo a cultura material no Egito pré-dinástico que para os interessados nos períodos remotos da história pode ser de grande utilidade.

A CULTURA MATERIAL NO EGITO PRÉ-DINÁSTICO:

1 - Introdução:

Para analisar a cultura material, ou seja, os artefatos de pedra e outros materiais produzidos neste período nos parece mais adequado seguir os indícios arqueológicos de diversos sítios que foram estudados no Egito e que são referentes a antigas ocupações humanas na região. Assim, as evidências arqueológicas apontam para o vale do Nilo, próximo ao atual deserto. Na região do delta encontra-se o povoado de Marmadat que junto com Fayum e Deir-tasa constituem os mais antigos centros agrícolas africanos.

É provável que estes povoados tenham se estabelecido na região devido ao regime de cheias do Nilo que propicia ali um local adequado ao desenvolvimento agrícola, além disso, conforme Clark, a economia desses povoados se complementava com a caça, a pesca e a domesticação de animais.

2 - Os principais sítios e seus indícios:

2.1 - Fayum:

Em Fayum foram encontrados dois períodos de ocupação distintos, sendo o primeiro caracterizado pelo uso de peças lascadas e retocadas, pontas de projétil triangulares e de base côncava, sendo algumas dentadas, arpões de osso, pequenas foices bifaciais e outras feitas com paus retos e reforçadas com dentes de sílex, além de inúmeros machados e ancinhos de pedra polida que segundo Clark pode indicar que a madeira era usada em larga escala.

A cerâmica deste primeiro período de ocupação se constitui de vasos em forma de saco e pratos de fundo chato, decorados ou não também foram encontradas contas perfuradas de casca de ovo de avestruz e palhetas de pintura utilizadas para pintar o corpo, esta ocupação tem datas entre 4400 (± 180) e 4200 (± 250) a.C. baseando-se na análise radiocarbônica de restos de trigo daquela época.

Em uma segunda etapa de ocupação foram encontrados em Fayum evidências de um longo período de seca, no qual os principais artefatos encontrados foram pontas de projétil de base côncava feitas de sílex.

2.2 – Marmadat:

Na margem esquerda do delta encontra-se Marmadat (Merimde) que era um grande povoado com cerca de 500 metros de diâmetro com tecnologia similar a encontrada em Fayum, os principais artefatos encontrados em Marmadat são bifaces, pontas de projétil com base côncava e raramente pedunculada, figuras de argila, agulhas de osso, cerâmicas vermelhas decoradas com padrões de acabamento contrastantes, lisos e ásperos em também ganchos farpados para a pesca, semelhantes aos usados pelos natufianos na Palestina.

2.3 – Ma’adi:

Nas proximidades da cidade do Cairo está Ma’adi, local onde foram encontrados poucos bifaces não polidos, buris, muitos perfuradores e grandes raspadores semelhantes aos da idade do bronze na Palestina, restos de cobre, pontas de projétil pistiliformes e cerâmica muito variada, indicando conexões com a Síria.

2.4 – Deir-tasa:

Em Deir-tasa, único povoado do alto Egito em que foram encontrados indícios neolíticos semelhantes aos achados em Fayum e Marmadat, resgataram-se algumas peças polidas, agulhas e arpões de osso, além de potes de cerâmica de boca grande alongados com base redonda e bordas alongadas com decoração de desenhos gravados que sugerem protótipos de cestos.

3 – As culturas Badariana, Amratiana e Gerzeana:

3.1 A cultura Badariana:

Quem parece ter lançado as bases da cultura pré-dinástica, inclusive pelos traços encontrados em Hammamia, estratificados abaixo de níveis pré-dinásticos é a cultura denominada Badariana, de El Badari, onde foram encontradas foices de lascagem bifacial, pontas de flecha em forma de asa, tigelas de cerâmica e pratos abertos, pretos por dentro e nas bordas.

Os badarianos usavam o cobre martelado para fazer contas para adorno, e pintavam o corpo como indicam achados de palhetas para pinturas corporais feitas de pedra com restos de pigmento vermelho.

3.2 A cultura Amratiana (Naqada I) ou pré-dinástica inferior:

É provável que a cultura Badariana tenha dado origem à cultura pré-dinástica inferior ou Amratiana ( de Amrah, necrópole situada a 10 quilômetros ao sul de Abidos) também citada como cultura de Naqada em virtude de ter sido encontrada no povoado de mesmo nome.

Os principais artefatos deste período evidenciam que a base da tecnologia ainda era lítica, tendo sido encontradas pontas de projétil em forma de folha e triangulares, pontas de lança em forma de rabo de peixe, e longas lâminas de adaga, previamente modeladas e retocadas por pressão muito bem controlada, também foram encontrados machados e perfuradores polidos.

Havia a fabricação de cerâmica mais rudimentar que a Badariana, em contrapartida fabricavam finos vasos de pedra (alabastro), também usavam, como os badarianos, muitos adornos como pentes de marfim com figuras de animais, braceletes e contas polidas, além de contas e alfinetes de cobre.

3.3 A cultura Gerzeana (Naqada II) ou pré-dinástica superior:

No período pré-dinástico superior ocorre o grande avanço tecnológico da introdução da metalurgia, evidenciando na cultura Gerzeana (de Gerzeh Necrópole do médio Egito próximo a Meldrin), onde desenvolveram a técnica de fundir peças de cobre como machados chatos, facas com nervuras e facas chatas, paralelamente à metalurgia continuaram a utilizar a indústria lítica utilizando a técnica de lascamento por pressão.

Surgem novas técnicas, originárias da Ásia como o uso de lâminas obtidas de núcleos prismáticos preparados, cabeças de flechas transversais e substituindo a pedra polida, adotaram o uso da faiança, substância complexa que consiste em um núcleo artificial de quartzo finamente pulverizado, cimentado por fusão e revestido por um esmalte vidrado.

Nesta mesma época tornam-se possíveis as relações comerciais com outras regiões, pois, muitas matérias primas são originárias de locais distantes, como: cobre do deserto oriental ou do Sinai, chumbo e prata da Ásia, lápis-lazuli do Afeganistão que provavelmente passava pela Mesopotâmia. Além disso há evidências do uso de barcos para transporte de pederneira minerada, vasos de pedra e provavelmente outros materiais perecíveis através do Nilo.

Conforme a argumentação a seguir: “A cultura Badariana, por exemplo, pode ter existido em todo o Alto Egito e a cultura Amratiana pode ter-se estendido para norte tanto quanto a Gerzeana. As comunidades mais ricas e culturalmente avançadas do Alto Egito se instalaram provavelmente em níveis atualmente soterrados ao longo das margens do rio, permanecendo, assim, ignorados por nós”.1 Podemos inferir que o conhecimento atual sobre a cultura material do Egito pré-dinástico é parcial, e que à medida que forem realizados e publicados novos estudos arqueológicos teremos uma melhor aproximação da sua grandeza tecnológica.

BIBLIOGRAFIA:

TRIGGER, Bruce C. Além da História: os métodos da pré-história, São Paulo: Ed. Universidade de São Paulo, 1973, pp.91-135.

CLARK, John G. D. Capítulo 8 - África In: A Pré-história, Rio de Janeiro: Zahar, 1975, pp. 179-200.

ALMAGRO BASCH, Martin. “Capítulo XIII - Las Culturas Neolíticas Africanas” In: Manual de História Universal, Tomo I, Madrid: Espasa-Calpe, 1960, pp. 545-585.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1 TRIGGER, Bruce. Além da história: os métodos da pré-história, 1973. p.109

Porto Alegre / RS
Especialização: Especialização em Ensino Religioso (CESUCA FACULDADE INEDI)
História para Ensino Fundamental História para Ensino Médio História à distância História Geral Acompanhamento Escolar em História História do Brasil História - Aulas Particulares
Professor de história com 18 anos de experiência, atuando na inovação educacional desde 2010.
Oferece aulas online (sala profes)
R$ 40 / aula
Conversar
Cadastre-se ou faça o login para comentar nessa publicação.

Recursos Profes

O Profes é uma solução completa de aprendizagem, com diversos recursos para
você aprender do jeito mais eficiente e personalizado possível.

Se você quer encontrar um professor particular para combinar aulas particulares, datas, pacotes e preços, utilize o Aulas Profes.

Buscar professor

Se seu problema for dificuldade em uma lista de exercícios, projeto, planilhas, revisão de teses, TCC ou textos, peça uma ajuda pelo Tarefas Profes

Enviar Tarefa

Se você quer acessar um professor imediatamente, no formato chat com troca de arquivos, imagens, fotos, peça um Profes Já

Pedir Profes Já

Confira mais artigos sobre educação

+ ver todos os artigos

Encontre um professor particular

Busque, encontre e converse gratuitamente com professores particulares de todo o Brasil