Carta acerca da Tolerância de John Locke
Jeanne Cardoso
em 03 de Dezembro de 2018

John Locke nasceu em 1632, em Wrington, Somerset. Seus interesses incluíam teologia, filosofia e medicina, tendo trabalho como médico para Lord Ashely, que mais tarde se tornou Conde de Shaftesbury. Logo Locke se envolveu nas atividades políticas do Conde de Shaftesbury e se tornou seu secretário quando Shaftesbury presidia a Câmara dos Lordes. Shaftesbury apoiou o Duque de Monmouth em sua rebelião contra Jaime II e foi exilado. Locke decidiu ir para a Holanda nessa época e seu exílio se tornou oficial em 1684. Na Holanda, Locke teve oportunidade de viver num ambiente mais tolerante religiosamente do que na Inglaterra. Foi lá em, no inverno de 1685-6 que Locke escreveu Carta acerca da Tolerância.

John Locke

Locke usa argumentos para explicar porque a tolerância religiosa deveria ser norma em todos os estados. Também cita muitos textos bíblicos. Seus argumentos seguem a ideia, expressa por ele também em outros escritos, como por exemplo, Primeiro e Segundo Tratados sobre o Governo Civil, de que o magistrado civil foi empossado por um arranjo realizado pela sociedade, não por Deus. Segundo ele, a comunidade civil é uma sociedade de homens que busca os interesses civis; vida, liberdade, saúde, dinheiro, terras, casas, bens móveis. O magistrado civil, um príncipe em seu estado, deve administrar as leis que asseguram os direitos civis ao povo, fazendo-o com igualdade. O magistrado deve usar a força para punir aqueles que violam os direitos de outros. Mas o magistrado não tem jurisdição sobre questões religiosas. O poder de decidir sobre a salvação eterna de alguém não lhe foi confiado por Deus.

Aos cristãos que creem que impor suas crenças religiosas a outro é ser zeloso do Evangelho, Locke diz que a intolerância é incompatível com a fé cristã. Esses pretensos zelosos deveriam primeiro conhecer os mandamentos de Cristo e não serem indulgentes com os pecadores de sua própria igreja antes de tentarem converter outros. O contrário seria hipocrisia. O uso da força das armas para converter outros é contrário ao ensinamento de Cristo, que, caso achasse necessário que exércitos fariam a palavra do Evangelho ser aceita usaria as legiões de anjos celestiais, não homens. Além disso, a aceitação forçada de uma religião só serviria para ofender a Deus, em vez de agradá-lo.

Locke define igreja como sociedade onde as pessoas se unem para servir a deus, por vontade própria, do modo que acreditam ser aceitável a Ele. Tanto a associação como a dissociação de uma igreja devem ser voluntárias. As regras de cada sociedade religiosa devem ser observadas por seus membros; caso um membro se recuse a seguir as normas, a sociedade pode chegar a expulsá-lo, mas a punição nunca pode atingir seus bens civis e terrestres. A força que rege os interesses civis deve estar nas mãos do magistrado, que, por sua vez, deve usá-la de acordo com a legislação.

Se ninguém pode prejudicar os interesses civis de um membro errante de sua igreja, não o pode fazer a alguém de outra sociedade religiosa. Mesmo um príncipe não pode interferir nos assuntos religiosos pois somente Deus pode dizer qual religião é a verdadeira. “Nenhuma paz ou segurança, muito menos amizade, jamais podem ser estabelecidas ou preservadas entre os homens enquanto prevalecer esta opinião de que a dominação está fundada no privilégio e que a religião deve ser propagada pela força das armas” (p. 253), escreve Locke, tendo como pano de fundo os conflitos religiosos que destruíram a Europa no século XVII. Os clérigos deveriam usar argumentos para converter as pessoas e não intervirem em assuntos que só competem à autoridade civil, “pois talvez, enquanto visam apenas o amor pela verdade, possa ocorrer que seu zelo descontrolado, manifestado apenas pelo fogo e pela espada, traia sua ambição e mostre que seu real desejo é a dominação secular. ” (p. 255)

A escolha que um magistrado faz de uma igreja não deveria ser imposta, pois ele também é um homem procurando a salvação. Não deveria também o magistrado impor ou proibir ritos e cerimonias religiosas. A única exceção é qualquer rito ou cerimônia religiosa que infrinja os direitos civis de alguém. Nesses casos o magistrado deve agir com imparcialidade e punir pessoas culpadas, não a religião. Aos que consideram que dar ao magistrado autoridade sobre assuntos religiosos é um meio de manter a ordem, Locke lembra que fazer isso abre caminho para que o magistrado abuse de sua autoridade em tudo que este considere ser verdade.

Haviam, e existem ainda, aqueles que usam a Lei Mosaica para justificar a perseguição a religiões diferentes, Locke argumenta que essa lei foi dada a nação de Israel, que formava uma comunidade onde política e religião não eram instituições separadas porque Deus era Legislador e Rei daquele estado. Mesmo assim, os estrangeiros não eram obrigados a adotar a religião judaica. Por sua vez, Cristo, ao instituir o cristianismo, não instituiu junto uma comunidade política. As cidades que adotaram o cristianismo na Antiguidade haviam mantido a forma de governo anterior. Cristo também não deu poder a seus seguidores para obrigar outros homens a adotar o cristianismo.

No entanto, Locke não aprovava a tolerância para com o ateísmo, pois achava que a negação de Deus destruía tudo que a sociedade tinha de benéfico. E, embora sua Carta tenha sido escrita com vistas nos conflitos entre as denominações religiosas cristãs, Locke lembra que heresia e cisma só podem acontecer quando há separação dentro de uma determinada sociedade cristã. De modo que um cristão não pode acusar um muçulmano de heresia. Repete vigorosamente a denúncia contra a repressão, que pode apenas gerar ódio, violência e sedição.

 As ideias que Locke apresentou pertencem ao conjunto da filosofia política considerado racional que continua exercendo influencia até hoje e que por fim trouxe o laicismo para as constituições redigidas mais tarde, de países como os Estados Unidos da América e da França.

 

Referencia:

Carta sobre a Tolerância. In: LOCKE, John. Segundo Tratado sobre o Governo Civil: ensaio sobre a origem, os limites e os fins verdadeiros do governo civil. Vozes. Petrópolis. RJ 1994.

  

São João de Meriti / RJ
Especialização: TESOL STRATEGIES: SUPPORTING ESL STUDENTS (University of Glasgow)
Formada em História pela UFRJ. Meu trabalho final foi sobre escravidão doméstica. Trabalhei como monitora da docência por dois anos e fiz estágio no CAP-UFRJ. Atualmente estou trabalhando como professora particular de língua inglesa e tradutora.
História Geral, História do Brasil, História para Ensino Médio, História para Ensino Fundamental, História para o ENEM, Curso Superior de História, História para Vestibular
Oferece aulas online (sala profes)
Oferece aulas presenciais
R$ 30 / aula
Conversar
1ª aula gratuita
Cadastre-se ou faça o login para comentar nessa publicação.

Listas de exercícios, Documentos, Revisões de textos, Trabalhos?

Se seu problema for dificuldade em uma lista de exercícios, revisão de teses e dissertações, correção de textos ou outros trabalhos, peça uma ajuda pelo Tarefas Profes.

Enviar Tarefa

Confira artigos similares

Confira mais artigos sobre educação

Ver todos os artigos

Encontre um professor particular

Busque, encontre e converse gratuitamente com professores particulares de todo o Brasil