Pergunta

Diego pretende dar um presente ao seu amigo Fábio, que se encontra adoentado e tristonho devido a episódios recentes, inclusive no que tange ao seu diagnóstico recém-recebido de mal de Parkinson. Diego, então, encontra um outro amigo, Thiago, o qual anuncia estar vendendo seu relógio, um item de luxo e de excelente qualidade. Diego, lembrando de que Fábio é apreciador de relógios importados, pergunta a Thiago: “quanto você está pedindo por esse relógio importado da Suíça, Thiago”? Thiago, mesmo sabendo que não se tratava de relógio suíço, mas de relógio paraguaio, silencia-se a respeito desse detalhe e diz que ele custa R$5.000,00 (cinco mil reais), no que Diego aquiesce e fecha o negócio. Existe vício ou causa de invalidade nesse negócio? Caso exista, indique qual, com a devida explicação e com a indicação do dispositivo legal pertinente. Caso não exista, explique a razão dessa inexistência, com a indicação, também, do dispositivo legal pertinente.

Gabriela T.
Gabriela
perguntou há 1 mês

Sabe a resposta?

Ganhe 10 pts por resposta de qualidade
Responder dúvida
2 respostas
0
votos
Nenhum usuário votou nessa resposta como útil.
Professora Silvana M.
Respondeu há 1 mês
Melhor resposta
Melhor resposta escolhida pelo autor da dúvida

Resumindo: Muita gente considera que produtos do Paraguai são falsificados. Então se tratando de um “produto importado” talvez Diego não faria o negócio jurídico se soubesse dessa informação. Nesse caso aplicamos a literalidade do artigo 147 do Código Civil:” Art. 147. Nos negócios jurídicos bilaterais, o silêncio intencional de uma das partes a respeito de fato ou qualidade que a outra parte haja ignorado, constitui omissão dolosa, provando-se que sem ela o negócio não se teria celebrado”. Nesse caso trata-se do dolus bonus, que diferentemente do dolus malus o vendedor não mente mas omite uma informação importante na consumação do negócio jurídico. Nesse caso, o negócio pode ser anulado em até 4 anos, nos termos do artigo 145 c/c 171, II c/c art. 178 do Código Civil. Contudo Diego não é obrigado a anular o negócio só porque houve vício de consentimento, pois “O negócio anulável pode ser confirmado pelas partes, salvo direito de terceiro.” ( artigo 172, CC). Caso Diego fizesse o negócio jurídico mesmo sabendo que se trata de produto paraguaio então nesse caso trata-se de dolo acidental nos termos do artigo 146 do Código Civil, vejamos: Art. 146. O dolo acidental só obriga à satisfação das perdas e danos, e é acidental quando, a seu despeito, o negócio seria realizado, embora por outro modo.

0
votos
Nenhum usuário votou nessa resposta como útil.
Professora Jhéssika I.
Respondeu há 1 mês

Gabriela existe sim um vício de consentimento. Trata-se do Dolo. 

Nesse caso não se trata de erro. O ERRO SUBSTANCIAL é muito diferente do DOLO.  No erro a pessoa se engana sozinha. Por exemplo: Você vai comprar um anel e acredita que ele é um diamante mas depois você percebe que não é.  No dolo a pessoa te induz ao erro ou pela ação ou pela omissão. Se a pessoa te fornece informações mentirosas trata-se do dolus malus, por exemplo: Você vai comprar um carro e o vendedor te fala: ESSE CARRO NUNCA FOI BATIDO NUNCA FOI REFORMADO. Se o vendedor te fala isso mesmo sabendo que o carro foi reformado então ele comete dolus malus pois está mentindo pra você. Mas se o vendedor sabe que o carro foi batido mas simplesmente SE OMITE, ou seja, ela não mente mas também não te conta nada dai é o dolus bonus. 

 

No caso em questão,  seria erro substancial caso Diego tivesse se enganado sozinho. Ou seja, ele acredita que o relógio é Suiço mas não fala nada. Nesse caso ele manifestou seu pensamento de que achava que o relógio era Suiço. O vendedor tendo a oportunidade de corrigi-lo e de informar que se trata de um relógio do Paraguai SE OMITIU. Nesse caso essa omissão caracteriza dolus bonus. 

 

Ele foi induzido ao erro sim pois o vendedor OMITIU uma informação importante que inclusive poderia influenciar no preço do produto. Será que Diego pagaria 5 mil em um Relógio do Paraguai?

Nesse sentido,

Seria erro substancial caso Diego tivesse se enganado sozinho, ou seja acreditado que o relógio era da Suiça mas ter guardado esse informação pra si ( artigo 138, CC)
Como ele expressou isso e mesmo assim o vendedor OMITIU a informação de que o relógio era do Paraguai então trata-se de DOLO.

O Relógio paraguaio continua sendo importando, contudo veja que um Relógio Suiço pode ter mais valor tanto de “status” quanto valor econômico. Ou seja, o preço que Diego pagaria pelo relógio Suiço ele também estaria disposta a pagar por um relógio paraguaio? Nesse sentido, mesmo que Diego realizasse o negócio jurídico sabendo que se trata de um relógio paraguaio ele poderia optar por pagar mais barato.

 

Talvez Diego não faria o negócio jurídico se soubesse dessa informação. Nesse caso aplicamos a literalidade do artigo 147 do Código Civil:” Art. 147. Nos negócios jurídicos bilaterais, o silêncio intencional de uma das partes a respeito de fato ou qualidade que a outra parte haja ignorado, constitui omissão dolosa, provando-se que sem ela o negócio não se teria celebrado”. Nesse caso trata-se do dolus bonus, que diferentemente do dolus malus o vendedor não mente mas omite uma informação importante na consumação do negócio jurídico. Nesse caso, o negócio pode ser anulado em até 4 anos, nos termos do artigo 145 c/c 171, II c/c art. 178 do Código Civil. Contudo Diego não é obrigado a anular o negócio só porque houve vício de consentimento, pois “O negócio anulável pode ser confirmado pelas partes, salvo direito de terceiro.” ( artigo 172, CC).

Caso Diego fizesse o negócio jurídico mesmo sabendo que se trata de produto paraguaio então nesse caso trata-se de dolo acidental nos termos do artigo 146 do Código Civil, vejamos: Art. 146. O dolo acidental só obriga à satisfação das perdas e danos, e é acidental quando, a seu despeito, o negócio seria realizado, embora por outro modo.

Professores particulares de Direito

+ Ver todos
Encontre e contrate um professor particular para te ajudar nos estudos.
Osasco / SP
Especialização: Administração de Empresas (FGV - Fundação Getúlio Vargas)
Formada em Administração pela faculdade Anhanguera...Posso iniciar imediatamente ...sou RÁPIDA...Tenho Experiência em desenvolvimento
Oferece aulas online (sala profes)
R$ 80 / aula
Conversar Whatsapp do professor Silvana M. Whatsapp do professor Silvana M. Ver WhatsApp
1ª aula demonstrativa
Responde em 1 dia e 20 h
51 avaliações
São Paulo / SP
Doutorado: Administração (Universidade de São Paulo)
Direito - Direito Administrativo Direito Tributário Concursos Públicos para Iniciantes em Direito Direito - Planejamento Tributário Direito - AFO Direito - Direito financeiro Direito Administrativo para Concursos
Apaixonado pela docência! Professor em cursos de MBA e graduação nas disciplinas de Administração, Contabilidade e Direito. Leciona inglês e japonês.
Oferece aulas online (sala profes)
Oferece aulas presenciais
R$ 160 / aula
Conversar Whatsapp do professor Ronaldo N. Whatsapp do professor Ronaldo N. Ver WhatsApp
1ª aula demonstrativa
Responde em 1 dia e 6 h
12 avaliações
Joinville / SC
Especialização: Direito Processual Civil e Direito Civil (UniBF)
Como Passar na OAB Advogada Ajuda em TCC de Direito Estudar Para OAB 2ª Fase Estudar Para OAB 1ª Fase Direito - Empresarial Provas de Direito
Ofereço aulas em áreas de Direito Constitucional, Direito Civil, Processo Civil e Empresarial.
Oferece aulas online (sala profes)
R$ 80 / aula
Conversar Whatsapp do professor Julia M. Whatsapp do professor Julia M. Ver WhatsApp
1ª aula demonstrativa
Responde em 4 h e 6 min

Pergunte aos nossos professores

Você possui uma lista de exercícios ou Trabalho?

Se seu problema for dificuldade em uma lista de exercícios, revisão de teses e dissertações, correção de textos ou outros trabalhos, peça uma ajuda pelo Tarefas Profes.

Enviar Tarefa