Ensino de Português  para surdos
Geraldo I.
em 11 de Janeiro de 2020

Língua Portuguesa para surdos

 

Obra resenhada:

SALLES, Heloísa M.M.L, FAULTICH, Enilde, CARVALHO, Orlene Lúcia et alii.Ensino da língua portuguesa para surdos: Caminhos para a prática pedagógica. Brasília, 2004. p. 37-53.

 

Acometidos por preconceitos e invisibilidade, por tanto tempo, os surdos brasileiros sofrem, ou sofriam, com a silenciosa violação de seus direitos à cidadania.

Visando mitigar tal problema, rumo à sua solução final, na obra aqui analisada, Salles et alii têm como objetivo discutir acerca dos sentidos tomados para a cidadania na educação de surdos e destacar a ideia de cidadania ativa no ensino.

E, mediante o proposto pela Lei de Diretrizes e Bases para a Educação Nacional(9394/96), pelos Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental, em particular, referentes à sua introdução e aos temas transversais, Cidadania na LDB e nos PCN’s para o Ensino Funda-mental, temos uma indagação reflexiva e pertinente: “Que  forma  de educação convém às demo-cracias?” Ora, o princípio da educação, em uma república, é a transmissão do respeito à lei funda-do no conhecimento das instituições”. p.161(1).

Neste contexto, os autores de “Ensino de língua portuguesa para surdos: Caminhos para prática pedagógica”, cuja obra destina-se à formação e qualificação profissional de professores em geral, demonstram exercer, como agentes públicos, o papel de fomentadores da cultura surda, dando a esta cultura um protagonismo que, até aquele momento, 2004, ano de sua publicação, por muito tempo, no Brasil, não o teve. Prova disso é que a obra ora resenhada faz parte do programa nacional de apoio à educação dos surdos, do Ministério da Educação.

            Neste sentido, uma sociedade multicultural e fraterna poderá ser construída com o apoio tanto de consultores surdos quanto de profissionais do magistério, além de toda a comunidade surda.

Esta obra tem como finalidade discutir algumas das especificidades práticas de letramento de surdos, considerando que tais práticas são constituídas a partir de vivências sociais de língua-gem que envolvem duas línguas - Libras e Português, línguas que compartilham o mesmo espaço/ tempo nos diferentes locus de atividade e que possuem forças econômicas, socioculturais e ideo-lógicas não-simétricas. Essa particularidade linguístico-discursiva determina que práticas de letra-mento em ambas as línguas sejam postas em inter-relação, estabelecendo, no âmago delas, diálo-gos, nem sempre pacíficos, entre línguas/culturas. Considerando tais pressupostos, apresenta-se uma proposta educacional na qual os alunos, a partir da vivência da Libras em sua dimensão discursiva/genérica, têm o desenvolvimento de práticas de letramento nas duas línguas. Busca-se, com este processo, uma ressignificação transformadora da relação histórica que tem constituí-do o diálogo que as comunidades surdas têm estabelecido com a língua portuguesa, como um espaço de atos concretos.

            Salles, coordenadora da obra que trata da cultura surda e sua inserção na sociedade brasileira, formula sua reflexão em duas partes, sendo que a primeira parte compreende três unidades abordando a situação linguística e, principalmente, cultural do surdo e considera a aquisição da linguagem numa perspectiva biológica e psicossocial, colocando o ensino do português como segunda língua para os surdos no plano das políticas públicas referentes ao idioma português.

            Quanto à segunda parte, que não é objeto desta resenha, consiste de projetos educacio-nais voltados para o ensino de língua portuguesa.

            “Quebrar o paradigma da deficiência é enxergar as restrições de ambos: surdos e ouvintes2”. É o que ocorre quando Sam, personagem narrado na obra, à página 37, perguntou à sua mãe se somente a sua “nova” amiga e a mãe dela eram ouvintes. A mãe de Sam lhe explica que era a sua família, a família de Sam, que era incomum e não a da amiga. Porém, ainda de acordo com o texto, “Sam não possuía a sensação de perda” (…) pois “eram os vizinhos que tinham uma perda, uma desabilidade de comunicação”. Notadamente, a narrativa expõe que "deficiente" mesmo é a sociedade em geral pois não compreende a diversidade como componente da cidadania e produz, assim, exclusão social, cultural, econômica, etc., de parcela significativa de indivíduos relegados a serem "meio-cidadãos".

            Wrigley, comparativamente, explica, à página 39, que “a surdez é um ‘país’ sem um ‘lugar próprio’; é uma cidadania sem origem geográfica, ou seja, o surdo vive como um estrangeiro em seu país. Situação que parece análoga à do povo Curdo, nação que, no oriente médio, ocupa territórios da Síria, Turquia e Iraque, mas não sentem pertencer a algum deles, são estrangeiros em seu próprio solo. Assim são os surdos no Brasil, sem uma identidade reconhecida e aceita.

figura 1                                                               

Assim, segundo Perlin, a identidade que o surdo assume dentro da sociedade pode ser definida de cinco formas: Flutuante (se manifesta de acordo com o mundo ouvinte); Inconformada (não capta a representação da identidade ouvinte e se sente numa identidade subalterna); De transição (contato tardio com a comunidade surda e tem dificuldade de se comunicar); híbrida (nascem ouvintes e se ensurdecem) e Surda (está no mundo visual, ou seja, desenvolve a comunicação por sinais e são intitulados sujeitos culturais).

O contexto do texto, ao retratar a origem de um de nossos problemas, ou seja, a 'questão surda', visa a cultura em geral e a cultura de grupos de surdos nela inserida, mas não tanto reconhecida, visa nossa história, nossa postura frente a um determinado grupo social, postura esta camuflada e ingressada numa sociedade que desconhece, ou finge que desconhece, sua função social de reconhecer diversidades presentes em seu seio. O "ENSINO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA SURDOS" inova ao sugerir uma reformulação política dos conceitos existentes em nós, na formulação de um currículo que aborde todas essas questões levantadas e promove maior e melhor integração social.

No que se refere a algumas ressalvas quanto ao compêndio ora analisado, ressaltamos que quando Skliar, em 1998, se expressa e “defende que é possível aceitar (grifo meu) o conceito de cultura surda por meio de uma leitura multicultural, em sua própria historicidade…” estaria, hoje, anacronicamente posicionado, pois não é mais aceita tal colocação, após 20 anos, em 2018, devido aos avanços conquistados no campo da cidadania. Além disso, quando os autores dessa obra resenhada citam a formatação de seu texto, falam que ela está dividida em duas partes com três unidades, mas não esclarecem que se trata, na verdade, de dois volumes, o 1 e o 2, sendo que a três unidades citadas estão no volume 1, e não apenas duas partes de um mesmo livro.

            Finalmente, apesar das restrições feitas ao texto do Mec, podemos afirmar que a oficialização da LIBRAS foi um feito glorioso para a Comunidade Surda brasileira. Pois prevê intérpretes em escolas, hospitais, repartições públicas, estabelecimentos comerciais etc., e abre amplas possibilidades de opções que devem ser aproveitadas para se dar ao surdo o acesso à sua cultura, à sua história e à história da humanidade. Educadores e formuladores das políticas educacionais podem descobrir o seu papel nesse cenário, cientificando-se de que cabe ao Surdo o papel principal, um papel que pode influir significativamente no protagonismo surdo, na sua identificação consigo mesmo e com o mundo de uma maneira rica e multicultural. Devem, portanto, promover uma educação fundamentada numa experiência global a ser organizada dentro dos quatro pilares do conhecimento propostos pela UNESCO: aprender a conhecer, a fazer, a viver juntos e a ser.

 Referência Bibliográfica:

 http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lpvol1.pdf

  1. SALLES, Heloísa M.M.L, FAULTICH, Enilde, CARVALHO, Orlene Lúcia et alii.Ensino da língua portuguesa para surdos: Caminhos para a prática pedagógica. Brasília, 2004. p. 37-53.
Geraldo Inácio está online
São Paulo / SP
Graduação: Pedagogia / Administração escolar (Faculdades Integradas Campos Salles)
Aprenda Língua Portuguesa usada no Brasil, conforme suas necessidades. Com diagnóstico de competências e habilidades e de domínio de conteúdos.
Oferece aulas online (sala profes)
Oferece aulas presenciais
R$ 80 / aula
Conversar
1ª aula demonstrativa
Responde em 17 h e 20 min
Cadastre-se ou faça o login para comentar nessa publicação.

Listas de exercícios, Documentos, Revisões de textos, Trabalhos?

Se seu problema for dificuldade em uma lista de exercícios, revisão de teses e dissertações, correção de textos ou outros trabalhos, peça uma ajuda pelo Tarefas Profes.

Enviar Tarefa

Confira artigos similares

Confira mais artigos sobre educação

Ver todos os artigos

Encontre um professor particular

Busque, encontre e converse gratuitamente com professores particulares de todo o Brasil