Relação entre  habilidades de leitura e fala
Fernando Victoi
em 29 de Maio de 2014

 

" Da leitura para a fala.

Como nós lemos e entendemos as palavras para as falarmos em voz alta?

Leitura é um processo paralelo que envolve ambos, som e significado. Estes dois componentes juntos, permitem a pessoa produzir a completo sentido do som e da funcao da palavra. Em ralacao a palvras desconhecidas, pronuncia é baseado no que ja é sabido (lexico/vocabulario conhecido), significado vem mais tarde. "

 

 

 

Relação entre  habilidades de leitura e fala.

Entrevista com Ann Hilferty (AH)

 

BG: O que você quer dizer com a reciprocidade entre a leitura e linguagem oral?

 

AH : Por reciprocidade , quero dizer que como habilidades em algum aspecto da melhoria da linguagem oral , eles ajudam o desenvolvimento em leitura, e quando uma pessoa melhora suas habilidades de leitura , parece aumentar ainda mais a habilidade da linguagem falada. Parece ser uma espiral contínua.

Fiquei interessada nisso porque alguns professores que ensinam ESOL (Inglês como Segunda Língua) pensam que essa relação não  é verdade. Eles pensam que há um pouco de uma influência de mão única: que o desenvolvimento na linguagem falada influência o desenvolvimento da leitura . Isso é verdade, mas também é verdade que, como as pessoas desenvolvem habilidades de leitura mais fortes , permitem ainda mais o desenvolvimento de habilidades de falar mais sofisticadas.

BG: De onde vem essa sua opinião?

 

AH : Em uma pequena pesquisa que fiz há alguns anos atrás , muitos dos professores pareciam sentir fortemente que havia uma teoria que apoiava a primazia da língua falada . A palavra " transferência " surgiu muito. Algumas pessoas parecem acreditar que uma pessoa só tinha que chegar a um certo nível de proficiência oral em Inglês e leitura de proficiência desenvolveria automaticamente se eles já foram alfabetizados em sua primeira língua. Meu palpite é que os professores foram influenciados no início dos anos 1970 pelos artigos de Goodman e Smith  [ sobre o que veio a ser conhecido como a linguagem integral ] . Goodman e Smith tornou-se muito influente na comunidade ESOL , mesmo quando a comunidade de leitura começou a contestar as suas ideias sobre a aquisição de competências de leitura início.

Mais tarde, testei em  44 Latinos que tinham , em geral, bastante elevado o nível de alfabetização em espanhol, mas não uma alta exposição para o Inglês escrito em sua instrução ESOL . Seus desempenhos em testes de inglês foram bastante baixos. Eles não saíram bem em ler em Inglês. Há claramente alguma transferência [ da leitura na primeira língua para a leitura na segunda ], mas eu não tenho certeza de quanto. Não é algo que acontece automaticamente. Se você retém a exposição do aluno na prática em leitura e escrita em Inglês até os alunos terem  avançado em proficiência oral, você está retendo a própria prática que precisa melhorar.

 

BG: Quais são alguns dos principais resultados da pesquisa que refletem a reciprocidade?

AH: Alguns dos resultados mais convincentes são relatados em uma série de estudos. Consciência fonêmica – percepção dos sons individuais na palavra - parece ajudar com a compreensão da linguagem falada. Conhecimento de padrões de ortografia parece ajudar a melhorar a pronúncia e escuta. Experiência com material impresso (escrito) está relacionado ao conhecimento da gramática e a experiência com material impresso também parece ajudar os alunos a adquirir formas de linguagem falada, por exemplo, as palavras de função , tais como conjunções , preposições e artigos, e terminações de palavras derivacionais , que são terminações que se formam novas palavras.

 

BG: Um exemplo de terminações de palavras derivacionais?

AH: Fotógrafo, fotografia, fotográfica.

Ao mesmo tempo  a pesquisa mostrou que não falamos do jeito que pensávamos que fezemos. Nosso modelo de discurso imitou o nosso modelo de leitura: de que falamos através da produção de sequências de fonemas. Mas agora sabemos que não funciona assim. Essa é uma das razões pelas quais é difícil aprender a ler.

 

BG: Então você está dizendo que há uma base firme para ensinar os dois- habilidades orais e de leitura em uma segunda língua - simultaneamente e não negligenciar um para o outro?

AH: Sim. E muitas das mesmas pessoas que estão vendo as conexões entre fala e leitura também relatam que a instrução de leitura necessidades iniciais. Em circunstâncias normais, todos nós aprendemos a falar. Mas não todos, em circunstâncias normais, sem qualquer instrução, aprender a ler.

A pesquisa sugere que, nos primeiros estágios do início de ler, o reconhecimento preciso e rápido das palavras em um segundo idioma é um bom preditor de compreensão de leitura. Pode-se dizer que, em vez da [ leitura] ser dependente da fala, fala e leitura são dependentes do mesmo grupo de habilidades necessárias para processar materiais fonologicamente difíceis. Evidência disso é que a maioria das dificuldades de leitura residir em dificuldades de linguagem fonológicas. Pessoas com leitura pobre tendem também a ter má percepção da fala, e déficits fonológicos em língua falada e escrita.

Leitores iniciantes precisam aprender a consciência fonológica: a consciência do sistema de som ; e conscientização grafo-fônica : o conhecimento das letras e um entendimento de que letras e combinações de letras representam sons e palavras . Se as pessoas estão fazendo apenas habilidades orais , pode não dar muita atenção para os elementos dos sons da língua - os pedaços - mesmo que fazer algum trabalho na pronúncia.

Após as fases iniciais de leitura, as relações [entre fala e leitura] podem mudar, dependendo do aluno, da tarefa e da circunstância. Há evidências, por exemplo, que, para leitores em sua primeira língua, a experiência oral é de suma importância. A leitura e a escrita tornam-se cada vez mais independente e recíproca a medida que elas se desenvolvem . Para alguns leitores de segunda língua ou língua estrangeira, as habilidades de leitura fornece a maior parte da nova entrada de linguagem/vocabulario.

A maioria dos estudos de alfabetização de adultos indica que a consciência fonêmica é dependente do conhecimento letra-som. Por exemplo, a consciência fonêmica geralmente começa a se desenvolver em adultos analfabetos depois deles terem  tido experiência com letras impressas . Mesmo o conceito de " palavra" geralmente não é aprendido até que o aluno tenha experienciado  palavras impressas, separadas umas das outras por espaços. Ao mesmo tempo se desenvolve a consciência fonológica, esta ajuda tanto os aprendizes de primeira e segunda língua para compreender a linguagem falada melhor.

 

BG: O que poderia fazer os professores para desenvolver e dar suporte a essa relação de reciprocidade entre leitura e fala?

AH : Eu não li muito sobre pesquisas na área de instrução e aplicação, mas sabemos que a consciência fonológica e grafo-fônica desenvolvem-se em uma seqüência. Steve Stahl confirmou esta para crianças e adultos. Essas etapas são bem confirmadas.

 

BG: Quais são os passos ?

AH : O conhecimento do alfabeto ; identidade fonema ( som de uma língua ); segmentação parcial da palavra ( dividir uma palavra em sílabas ou em inícios e rimas - o primeiro grupo consonantal e o fim, se é uma palavra uma sílaba ); reconhecimento de alguns sons da letra em palavras ; reconhecimento de palavras simples ; mistura fonema e exclusão e segmentação de palavras completa (não apenas sílabas , mas os fonemas ); de reconhecimento de texto avançado (palavras multisilábicas , demonstrando padrões de ortografia menos frequentes ) .

 

 

Artigo original:

The relationship between Reading and Speaking skills.

 Interview with Ann Hilferty 

http://www.ncsall.net/index.html@id=328.html 

 

 

See you later !

 

 

 

São Paulo / SP
Curso Livre: Comunicação nao Violenta (NVC (Non-Violent Comunication) Academy)
Como diz o slogan que coloquei, a minha curiosidade me faz transitar pelos mais variados campos de conhecimento. Leio muito sobre aprendizagem, psicologia cognitiva, filosofia e ensino acelerado de línguas . Além de ter feito terapia numa lingua estrangeira, leio muito sobre saúde, fisiologia do exercício (minha área base), tecnologia e recursos humanos (em lingua Inglesa). No mais entre em contato que nos esclareceremos melhor. Boa aventura no aprendizado !
Destravar Iniciantes no Inglês, Inglês Online, Inglês para Viagens
Oferece aulas online (sala profes)
R$ 90 / aula
Conversar
Cadastre-se ou faça o login para comentar nessa publicação.

Confira artigos similares

Confira mais artigos sobre educação

Ver todos os artigos

Encontre um professor particular

Busque, encontre e converse gratuitamente com professores particulares de todo o Brasil