Incentivos e Criptomoedas
Christopher M.
em 15 de Julho de 2021

Um dos maiores desafios para muitas das criptomoedas é que além das vendas coletivas de tokens, é preciso garantir que estas sejam usadas em troca de bens e serviços.

Para incentivar o público a adotar uma criptomoeda, deve haver benefícios claros no uso dessa forma de pagamento. Comprar é algo que nós fazemos todos os dias e quando se trata de incentivo, é necessário que as startups de criptografia pensem fora da caixa, para encorajar o público a experimentar algo novo.

Onde os programas de fidelidade se encaixam?

Essa ferramenta de marketing vem sofrendo problemas há anos. No mundo sem criptografia, os consumidores ficam sobrecarregados com o número de programas oferecidos pelos varejistas e acabam desapontados com as recompensas. Os projetos de blockchain podem injetar inovação neste setor, oferecendo incentivos que sejam significativos para os compradores.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Ao invés de carregar dinheiro e cartões de crédito, os consumidores poderiam fazer compras e receber recompensas de uma infinidade de comerciantes em um só lugar. Isso também tem o potencial de impulsionar os comerciantes, já que podem oferecer negócios atraentes para atrair clientes recorrentes.

Uma outra possibilidade é que os tokens façam parte das recompensas, gerando a oportunidade para que os consumidores acumulem as criptomoedas e decidam quando e onde irão troca-las por FIAT ou produtos e serviços.

Para os consumidores da geração Y e da geração Z que já estão alfabetizados nos usos emergentes da tecnologia, as criptomoedas são mais valorizadas frente aos sistemas existentes. Eles se sentem um tanto traídos pelos processos e sistemas, alavancados pelas gerações anteriores e buscam formas de diferenciar seu impacto e interação com o mundo.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

De acordo com a Deloitte, pesquisa relacionada a lealdade de clientes consultou 12.000 americanos e 7.000 Canadenses sobre 280 programas de fidelidade em todas as indústrias. Cerca de 20% dos participantes nunca havia resgatado suas recompensas.

Entender a inatividade é importante para as empresas, na forma de traduzir como isso afeta a lealdade às suas marcas. Recompensas não reclamadas são contabilizadas como passivos nos balanços das empresas. Membros de programa de fidelidade que não fazem resgates, são 2,7 vezes mais propensos a desertar de um programa e juntarem-se a outros.

Segundo dados da Forbes de maio desse ano (2021), 44% das pessoas gostariam que seus programas de fidelidade pudessem ter resultados medidos em criptomoedas.

Essa é a porcentagem de americanos interessados em receber moedas digitais como Bitcoin, Ethereum e Dogecoin, como uma alternativa aos programas tradicionais de recompensa de varejistas, de acordo com uma pesquisa nacional recente.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Antes um conceito difícil de entender, as criptomoedas estão experimentando sua “chegada”, ganhando familiaridade do consumidor e aceitação no varejo. Mais de três em cada dez americanos descrevem as criptomoedas como o “futuro do dinheiro”. Não surpreendentemente, os consumidores mais jovens são os primeiros a se adaptarem - quase 28% dos millennials possuem ou já possuíram alguma forma de criptomoeda.

O ambiente atual pós-pandêmico é quase perfeito para a propagação das criptos. Os consumidores se adaptaram rapidamente a uma variedade de novas tecnologias no ano passado, então seu apetite por mudanças foi aguçado. Isso se estende aos programas de recompensa e como eles podem ser modernizados para atender aos membros receptivos a novos conceitos - especialmente os membros mais jovens que procuram novas maneiras de se envolver digitalmente com os programas. Os varejistas precisam inovar para atrair esse público para seus programas e, por fim, para suas lojas.

Se os consumidores e varejistas veem as criptomoedas como o futuro do dinheiro, então é apenas um pequeno passo para vê-las como o futuro da indústria de fidelidade e recompensas.

Segundo matéria da Forbes de maio deste ano, os benefícios de incorporar criptomoedas em uma plataforma de fidelidade, podem mudar a trajetória do setor:

1. A criptografia pode servir como uma porta de entrada para novas moedas. Muitos emissores de cartão de crédito incluem ofertas vinculadas a descontos ou recompensas em dinheiro entre seus benefícios, incluindo America Express e Visa. Até mesmo o Uber emite Uber Cash vinculado a cartão para usuários que pagam com cartão Visa.

Entre as faixas etárias, 52% dos millennials aproveitam essa opção, em comparação com 47% dos baby boomers e 41% da geração X. Se os varejistas incorporarem criptomoedas em seus modelos vinculados a cartão, os programas de fidelidade podem oferecer aos membros, uma entrada mais fácil nesta forma emergente de dinheiro.

A Visa é a primeira a dar esse passo com seu Bitcoin Rewards Credit Card, lançado esse ano e que emite cashback que pode ser automaticamente convertido em Bitcoin e depositado em uma conta. Lá, a moeda pode ser valorizada, negociada, usada como garantia em um empréstimo, com base em criptografia ou pode ser sacada e gasta no varejo.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

2. Eles podem remover as barreiras monetárias ao compartilhamento de dados. Ao contrário dos pontos de recompensa, o Bitcoin e seus irmãos são moedas universais, indo além das fronteiras nacionais. Isso representa uma oportunidade para varejistas e outras empresas formarem parcerias virtuais por meio das quais, podem compartilhar e elevar o valor dos dados dos membros. Se os participantes receberem seus pontos na forma de Bitcoin, por exemplo, eles podem resgatá-los com qualquer comerciante. Os varejistas que fazem parceria com Bitcoin, podem formar uma aliança e os membros podem resgatar com qualquer um dos membros participantes. Esses modelos de “coalizão”, populares no Canadá e na Europa, incentivam mais atividades e melhoram a análise de dados, porque os comerciantes podem ver como seus clientes gastam com outras marcas.

3. As criptomoedas podem limitar as responsabilidades. Os pontos de recompensa emitidos por uma organização são contabilizados como passivos, porque carregam um valor que se espera um dia ser sacado. Ao recompensar criptomoedas, ao invés de pontos, as empresas podem sacar de seu próprio banco pré-adquirido, ou razão , do dinheiro criptografado. Há cuidados contábeis: as criptomoedas podem ser “ativos intangíveis de vida indefinida” e, como tal, não registrariam ganhos ainda não realizados devido a um aumento de valor (da mesma forma, perdas não realizadas não são imediatamente dedutíveis). O valor das criptomoedas oscila, mas se as recompensas emitidas estiverem vinculadas a porcentagens de uma moeda, o risco pode ser administrado. E com o tempo, manter recompensas em criptomoedas pode ser melhor do que não ganhar nada em pontos de recompensa. Como uma opção para os consumidores, os varejistas verão os tomadores de risco se inclinarem.

4. As opções estão crescendo. Mais de 70% dos americanos estão familiarizados com o Bitcoin, o que pode representar uma vantagem de marketing para empresas que o oferecem como recompensa. No entanto, uma desvantagem importante é seu preço, que em meados de maio se aproximava de US $ 50.000 cada. Isso poderia afastar um número substancial de membros de recompensa tímidos pelo mercado.

Essa valorização do Bitcoin acaba abrindo espaço para novas opções de criptomoedas, muitas das quais estão criando suas próprias imagens de marca para apelar aos diferentes valores do cliente. O Ripple, por exemplo, alega reduzir o risco, trabalhando diretamente com instituições financeiras, eliminando a necessidade de as transações serem “mineradas” - verificadas e adicionadas ao livro razão do blockchain. Esse recurso também é importante para membros preocupados com o meio ambiente, porque a mineração requer computadores poderosos que consomem uma quantidade surpreendentemente alta de eletricidade. (É por isso que a Tesla desistiu de aceitar Bitcoin.)

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

A moeda mais valorizada é a de escolha

As criptomoedas apresentam riscos e recompensas, mas o argumento mais simples para pelo menos testá-las como alternativa aos pontos de recompensa é que os consumidores gostam de escolhas. E após a rápida adoção de muitas novas tecnologias no ano passado, eles estão mais dispostos a se arriscar em algo novo.

Os varejistas podem analisar seus próprios dados de fidelidade e emitir pesquisas de membros para determinar os sentimentos de seus próprios clientes em relação às criptomoedas. Mas se 44% dos consumidores já estão dispostos a trocar recompensas baseadas em dinheiro ou pontos por recompensas criptográficas, as questões mais importantes podem envolver o que a moeda oferece na sua proposta e como isso pode influenciar na decisão do cliente.

As criptomoedas estão mudando rapidamente e alterando o setor financeiro com velocidade. Se os programas de lealdade adotarem as criptos, pode se esperar o mesmo. Ao rastrear os sucessos e erros dos primeiros adaptadores, os varejistas podem ter um controle real sobre o sucesso da criptografia.

ICOs

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Caso as empresas se interessem em criar suas próprias criptomoedas para esses Programas, será necessário que antes ocorra um ICO - Initial Coin Offering. Ele é o evento inicial de lançamento e abertura da negociação de uma nova criptomoeda no mercado.

Essa oferta é semelhante às ofertas iniciais de ações realizadas no mercado financeiro, que conhecemos como IPOs (Initial Public Offering ou Oferta Pública Inicial). Para entender melhor, quando uma empresa vai abrir o seu capital na Bolsa, se diz que ela vai fazer uma oferta pública inicial das suas ações, com o intuito de se capitalizar.

O ICO funciona de maneira semelhante, mas é bom ressaltar que esse mecanismo não é regulamentado por nenhuma entidade governamental. Assim, geralmente são startups que fazem essa prática buscando uma alternativa a captação de recursos em bancos, por exemplo, por terem mais burocracia.

Dessa forma, na Oferta Inicial de Criptomoeda quem participa são entusiastas interessados em investir em um novo projeto. Essa prática se assemelha ao crowdfunding. Os patrocinadores são motivados por um retorno em seus investimentos. Por isso, as ICOs são mencionadas como crowdsales.

Cases do Mercado

Foi em 2013 que aconteceu a primeira Oferta Inicial de Criptomoeda, quando a Ripple Labs começou a desenvolver um sistema de pagamento chamado Ripple, criando cerca de 100 bilhões de tokens XRP.

Esses tokens foram vendidos, ajudaram a financiar o projeto da plataforma e conseguiram arrecadar cerca de US$ 1 milhão. Atualmente, a Ripple é a 3ª moeda virtual com maior valor de capitalização no mercado.

Porém, o caso mais famoso de ICO foi o Ethereum, lançado em 2014. A Fundação Ethereum ofereceu tokens da moeda ether (ETH) pelo valor de 0.0005 Bitcoin cada. Com isso, foram arrecadados quase US$ 20 milhões para desenvolver a plataforma, se tornando o maior crowdfunding de criptomoeda até então.

Diferentemente do que ocorre com o dólar ou o real, criar novas unidades de moeda virtual não depende da casa da moeda ou do Banco Central.

O ponto inicial da Oferta Inicial de Moedas é a divulgação do seu Whitepaper, que consiste em um documento para divulgar o projeto. É nesse relatório que estão os dados essenciais onde o interessado em adquirir uma criptomoeda poderá consultar o documento e avaliar a possibilidade de comprá-la.

É interessante dizer que a forma de pagamento normalmente é realizada em Bitcoin, Ether ou mesmo com moedas tradicionais . Além disso, durante o encerramento da oferta inicial, o capital obtido é avaliado e a empresa comunica se foi atingido o valor pretendido.

Normalmente, esse processo pode levar dias ou semanas de arrecadação e podem até aumentar, dependendo da demanda. Caso não alcance o valor desejado para atender aos fundos mínimos exigidos pelas startups, quem contribuiu recebe de volta o dinheiro investido e a ICO é considerada sem êxito.

Já quando o projeto é bem-sucedido e o valor pretendido é atingido, a Oferta Inicial de Criptomoeda acaba. Neste momento, as criptomoedas entram no mercado e os investidores recebem uma parcela proporcional ao que investiram na forma de tokens. Estes podem ser guardados em carteiras virtuais, as chamadas wallets, ou comercializados em Exchanges.

Esta associação de criptomoedas com Programas de Incentivo, vai mudar o Mercado para sempre.

Será o fim de carteiras de pontos que mais confundem do que premiam o cliente final. Chega de empurrar liquidificadores ou perder pontos que venceram a validade. O futuro destes programas já chegou.

 
Rio de Janeiro / RJ
Curso Técnico: Formação de Líderes (IMD Suíça)
Professor de marketing, com 18 anos de experiência com mba, curso superior e como empreendedor.
Oferece aulas online (sala profes)
Oferece aulas presenciais
R$ 100 / aula
Conversar Whatsapp do professor Christopher M. Whatsapp do professor Christopher M. Ver WhatsApp
1ª aula demonstrativa
Cadastre-se ou faça o login para comentar nessa publicação.

Listas de exercícios, Documentos, Revisões de textos, Trabalhos?

Se seu problema for dificuldade em uma lista de exercícios, revisão de teses e dissertações, correção de textos ou outros trabalhos, peça uma ajuda pelo Tarefas Profes.

Enviar Tarefa

Confira artigos similares

Confira mais artigos sobre educação

+ ver todos os artigos

Encontre um professor particular

Busque, encontre e converse gratuitamente com professores particulares de todo o Brasil